... ...

Estrelinhas

dedico este cantinho as minhas estrelinhas que tanto amo

Lilypie 5th Birthday Ticker

21 outubro 2009

O Polvo Feio

Era uma vez duas meninas que estavam sentadas na praia. Elas trabalhavam muito a construir um castelo de areia que o tio lhes tinha ensinado a fazer. De repente, veio uma onda e destruiu tudo, reduzindo o castelo a um monte de areia e espuma.

─ Oh! ─ disse uma delas.

─ Não fiques triste, vamos construir outro.

Os pais vigiavam as crianças à distância.

─ Vamos molhar os pés? ─ desafiou uma delas.

─ Não mana, a mãe avisou-nos para não sairmos daqui.

─ A mãe neste momento não está a olhar para nós. ─ disse a outra a correr para o mar.

Subitamente, parou a meio caminho, os olhos cravados num grande rochedo. Dele vinha uma luz muito forte.

─ Anda mana! Eu não vou molhar os pés. Vamos antes àquele rochedo.

De mãos dadas, as crianças aproximaram-se do rochedo e avistam uma linda mulher, de olhos verdes e de longos cabelos pretos, sorrindo para elas. Penteava os cabelos com o seu pente de ouro, na testa uma estrela cintilante. As meninas não conseguiam desviar o olhar; estavam enfeitiçadas em frente de uma bela sereia que, com uma voz doce e melodiosa, lhes disse:

─ Meninas aproximem-se mais! Querem ver os peixinhos? Posso levá-las na minha cauda a dar um passeio.

As crianças hesitaram mas em seguida recusaram o convite.

Não podemos, a nossa mãe vai ficar preocupada. ─ disseram em simultâneo.

─ Eu sou uma sereia boa, chamo-me Sirena. Confiem em mim. Não vamos demorar. E a vossa mãe está tão entretida com os vossos avós que nem vai dar pela vossa ausência.

As meninas acabaram por aceder, contentes com a ideia de verem os peixinhos no fundo do mar e esquecendo o aviso da mãe.

A sereia olhou-se no espelho, sorriu, ajudou as meninas a subirem para cima dela e mergulhou no mar sereno. Elas iam encantadas no lombo da sereia com os olhitos bem abertos, para verem bem os peixinhos.

Os seus olhos espraiaram-se e viram lindos corais, anémonas, ouriços-do-mar, cavalos-marinhos e outros peixes multicores. Ficaram maravilhadas com tanta beleza. Empolgadas fizeram perguntas à sereia que, paciente e docemente, respondeu a todas. Estavam tão entretidas que nem deram pelas horas passarem, mas o estômago de uma delas lembrou que era hora de comer.

─ Tenho fome, quero voltar para a mamã.

─ Tens razão, são horas de voltar. ─ disse a sereia com um sorriso maléfico.

A sereia deu meia volta e tomou rumo numa outra direcção.

Um majestoso palácio apareceu na frente delas.

Os nossos pais não estão aqui. Eles ficaram na praia.

A sereia malévola responde:

A partir de agora ficam a morar neste castelo comigo.

As meninas começam a gritar pela mãe sem parar. Queremos a mãe. ─ disseram chorando.

A malvada, com violência, abanou-as de cima dela e caíram no chão.

─ Calem-se, calem-se! ─ ordenou furiosa.

Quando ficaram de novo frente a frente com sereia quase que desmaiaram de susto. Ela tinha-se transformado numa sereia horrível. Tinham sido enganadas pelo seu encantamento. Afinal era uma sereia má.

As duas irmãs agarradinhas uma à outra não paravam de gritar.

─ Socorro, mãe, socorro avozinha! Venham-nos salvar. Queremos ir para a nossa casinha.

─ Aqui ninguém jamais vos irá encontrar. Ficarão à minha mercê.

Fechadas nas masmorras do castelo, as duas começaram a pedir e a implorar ajuda, durante algum tempo. Mas não resultava. Ninguém aparecia. Elas estavam tristes e desesperadas com a sua sorte.

A Sirena voltou passados uns minutos com uma bandeja de algas, peixe e ostras.

─ Quero tudo comido, vocês estão muito magrinhas. Têm que ficar bem gordinhas. ─ ordenou, batendo a porta com força.

Cheias de fome comeram tudo e adormeceram.

De repente, acordaram assustadas, pois na sua frente estava um polvo gigante a velar-lhes o sono e a sorrir para elas. Encolhidas e a tremer agarraram-se uma à outra. Mal conseguiam articular a palavra monstro.

─ Não tenham medo da minha feiura. Vou levá-las aos vossos pais, antes que a sereia venha, confiem em mim. ─ disse docemente

─ A sereia Sirene diz que ninguém consegue salvar-nos daqui. ─ disseram a soluçar.

─ Eu consigo, querem ver?

As manas abanaram a cabeça

Aproximou-se delas devagarinho, muito devagarinho, e carinhosamente enrolou os seus tentáculos à cintura delas. Saiu por onde tinha entrado: pelas grades da janela que tinha arrancado com a força dos seus tentáculos.

Embaladas e sorridentes com a esperança no coraçãozinho, regressaram à praia. Já não tinham medo da fealdade do polvo. Despediram-se dele com carinho, agradecendo e pediram para visitá-las. Ele, com um sorriso meigo, prometeu voltar um dia.

Sentaram-se um bocadinho a descansar.

─ Ufa, ufa, ufa, que grande aventura, os nossos amiguinhos nem vão acreditar. Disse uma das irmãs ainda trémula.

A outra retorquiu:

─ Segredo nosso.

Beatriz, Inês onde estão? ─ gritou a mãe aflita.

As meninas saíram de detrás do rochedo.

─ Aqui, aqui mãezinha!

Correram para a mãe e abraçaram-na. Vovó e Estrelinhas

1 Comments:

At 5:00 da tarde, Blogger Rita C said...

Acho uma piada a estas histórias... :)))

 

Enviar um comentário

<< Home

A minha fotografia
Nome:

Mãe de duas estrelinhas adoraveis!!!!!!!!!

Powered by Blogger